Meus Amigos

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Bom Ânimo


Bom Ânimo




Hoje experimentas maior soma de aflições. Observaste a grande mole dos sofredores: mães desnutridas apertando contra o seio sem vitalidade filhos, misérrimos, desfalecidos, quase mortos; mutilados que exibiam as deformidades à indiferença dos passantes na via pública; aleijões que se ultrajavam a si mesmos ante o desprezo a que se entregavam nos "pontos" de mendicância em que se demoram; ébrios contumazes promovendo desordens lamentáveis; enfermos de vária classificação desfilando as misérias visíveis num festival de dor; jovens perturbados pela revolução dos novos conceitos e vigentes padrões éticos; órfãos... 




Pareceu-te mais tristonha a paisagem humana, e consideras mentalmente os dramas íntimos que vergastam o homem, na atual conjuntura social, moral e evolutiva do Planeta. 
Examinas as próprias dificuldades, e um crepúsculo de sombras lentamente envolve o sol das tuas alegrias e esperanças. 
Não te desalentes, porém. 
O corpo é oportunidade iluminava mesmo para aqueles que te parecem esquecidos e que supões descendo os degraus da infelicidade na direção do próprio aniquilamento. 
Nascer e morrer são acidentes biológicos sob o comando de sábias leis que transcendem à compreensão comum. 
Há, no entanto, acompanhando todos os caminhantes a forma carnal, amorosos Benfeitores interessados na libertação deles. Não os vendo, os teus olhos se enganam na apreciação; não os ouvindo, a tua acústica somente registra lamentos; não os sentindo, as parcas percepções de que dispões não anotam suas mãos quais asas de caridade a envolvê-los e sustentá-los. 
Perdido em meandros o rio silencioso e perseverante se destina ao mar. Agita e submissa nas mãos do oleiro a argila alcança o vaso precioso. Sofrido o Espírito nas malhas da lei redentora atinge a paz. 
Ante a sombra espessa da noite não esqueças o Sol fulgurante mais além. E aspirando o sutil aroma de preciosa flor não olvides a lama que lhe sustenta as raízes... 
Viver no corpo é também resgatar. 
O Espírito eterno, evoluindo nas etapas sucessivas da vestimenta carnal, se despe e se reveste dos tecidos orgânicos para aprender e sublimar. 
Numa jornada prepara o sentimento, noutra aprimora a emoção, noutra mais aperfeiçoa a inteligência... 
Nascer ou renascer simplesmente não basta. O labor, interrompido, pois, prosseguirá agora ou depois. Não cultives, portanto, o pessimismo, nem te abatam as dores. 
Cada um se encontra no lugar certo, à hora própria e nas circunstâncias que lhe são melhores para a evolução. Não há ocorrência ocasional ou improvisada na Legislação Divina. 
Quando retornou curado para agradecer a Jesus da morféia de que fora libertado, o samaritano que formava o grupo dos dez leprosos, conforme a narração evangélica, fez-nos precioso legado: o do reconhecimento. 
Quando o centurião afirmou ao Senhor que uma simples ordem Sua faria curado o seu servo, ofertou-nos sublime herança: a fé sem limites. 
Quando a hemorroíssa, vencendo todos os obstáculos, tocou o Rabi, deixou-nos precioso ensino: a coragem da confiança. 

Identificado ao espírito do Cristo, não te deixes consumir pelo desespero ou pela melancolia, sob revolta injustificada ou indiferença cruel. Persevera, antes, no exame da verdade e insiste no ideal de libertação interior, ajudando e prosseguindo, além, porque se hoje a angústia e o sofrimento te maceram, em resgate que não pode transferir, amanhã rutilará no corpo ou depois dele o sol sublime da felicidade em maravilhoso amanhecer de perene paz. 
"Tem ânimo filhos: perdoados são os teus pecados." - Mateus: 9-2. 
"Deus não dá prova superior às forças daquele que a pede; só permite as que podem ser cumpridas. Se tal não sucede, não é que falte possibilidade: falta a vontade". - 




Cap. XIV ´Item 9, § 9.  
Pelo Espírito de:  Espírito Joanna de Ângelis
  Livro:  Florações Evangélicas
Psicografia de:  de Divaldo P. Franco

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

A Escolha das Provas


A escolha das provas





Estudando o problema da escolha de provações da Esfera Espiritual para o círculo das experiências humanas, imaginemos um campo de serviço terrestre em que cada trabalhador é chamado à execução de tarefa específica.
Decerto que, aí dentro, vige a liberdade na razão direta do dever bem cumprido.
O servidor que haja inutilizado deliberadamente as peças do arado que lhe requer devoção e suor gastará tempo em adquirir instrumento análogo com que possa atender à orientação que o dirige.
O lavrador invigilante que tenha permitido por desleixo a incursão de vermes destruidores na plantação que lho define o trabalho, não pode esperar a colheita nobre antes que se consagre à limpeza e preservação da leira que a administração lhe confia.
O cooperador que tenha a infelicidade de envolver-se no crime terá cerceada a sua independência de ação, de vez que será necessário circunscrever-lhe a influência em processo adequado de reajuste.
Entretanto, se o operário fiel da lavoura satisfaz agora todos os requisitos das justas obrigações a que, se vê convocado, sem dúvida, plasma, em seu próprio favor, o direito de indicar por si mesmo o novo passo de serviço na direção do futuro, com pleno assentimento da autoridade superior que lhe traça o roteiro de lutas edificantes.
Assim, pois, além do sepulcro, nem todos desfrutam de improviso a faculdade de escolher o lugar ou a situação em que deva prosseguir no esforço de evolução, porquanto, quase sempre, é imperioso o regresso às sombras da retaguarda para refazer com sofrimento e lágrimas, amargura e aflição o ensejo sublime de acesso à luz.
Se desejas, assim, a marcha vitoriosa para lá dos portais de cinza em que o túmulo se te expressa à visão, afeiçoa-te, com perseverança e lealdade, ao próprio dever, dele fazendo o teu pão espiritual, cada dia, por que para alcançar o triunfo e a elevação de amanhã é indispensável saibamos consagrar-lhes a nossa atenção desde hoje.



Pelo Espírito de: Emmanuel 
Página recebida pelo médium Francisco Cândido Xavier
Revista O Semeador – Abril de 1981 

terça-feira, 25 de outubro de 2011

O Valor da Meditação













Ao principiante, desabituado, parece difícil a saudável tarefa da meditação. 
Certamente que todo labor em começo, passado o entusiasmo inicial, se apresenta de complexo prosseguimento. 
Acostumado à variedade de pensamentos, especialmente os vulgares, que se alternam com celeridade substituindo-se de modo contínuo, é perfeitamente natural que a fixação de uma idéia edificante se apresente como verdadeiro desafio. 
Indispensável, para o êxito do tentame, a motivação, cuja carga emocional canaliza com segurança o interesse do candidato. 
O profano que tem as suas atrações nas questões mortas para o espírito, mais estimulado pelas sensações do que pelas emoções, após algumas tentativas infrutíferas, desiste da meditação, decepcionado. 
Crê ser impossível de conseguir. 
No inconsciente está a evadir-se da experiência nova, saudoso dos hábitos fortes a que se acostumara. 
Bastaria, no entanto, que porfiasse no treinamento e os resultados o surpreenderiam agradavelmente. 
Nunca, em qualquer em outro tempo, o homem experimentou tanta necessidade de meditação quanto ocorre em nossos dias. 
A luta pela sobrevivência, mais exaustiva e violenta, requer caracteres calmos e disciplinados, a fim de não sucumbir ante os fatores que comprimem a vontade ou a levam a explosões temperamentais danosas. 
A meditação dulcifica a aspereza da luta, harmoniza o intelecto com o sentimento e acalmando o homem. 
Não será, porém, por efeito de uma ou outra experiência mágica, de cujos resultados imediatos se beneficiará o indivíduo, antes, através de expressivo esforço. 
A disciplina, a freqüência do exercício, o conteúdo de que se reveste a temática, são essenciais ao êxito do empreendimento. 
Toma de uma página do Evangelho de Jesus, lê pausadamente, digerindo-lhe o significado, e concentra-te nela, fixando-a. 
Retira todo o superior contingente de informações e reflexiona em cada mensagem que se te revele. 
Insiste em evocar-lhe a forma, o sentido e como te poderá ser útil. 
Analisa-a, sem pressa, após o que, medita em torno do seu conjunto, por fim, no espírito que te apresenta. 
Habitua-te a este pequeno mister e estarás iniciando a meditação que te levará à paz de consciência e à alegria de viver.
Meditando com regularidade, age com inteireza moral, sem afronta ao programa interior, assim evitando conflitos e confrontos entre o que constróis na área psíquica com aquilo que realizas no campo físico.
Mesmo que disponhas de pouco tempo, utiliza-o para a meditação, descobrindo, logo depois, que, assim agindo, o tens dilatado, benéfico.
A meditação abrir-te-á as portas para a perfeita união com Deus que a oração te facultará.


Pelo Espírito  de:  Joanna de Ângelis
Psicografado por:  Divaldo P. Franco
Livro:  Momentos de Esperança





 
  

domingo, 23 de outubro de 2011

Oração- Pai Nosso do Mosnenhor José Silvério Horta


Pai Nosso 

Pai Nosso, que estás nos Céus
Na luz dos sóis infinitos,
Pai de todos os aflitos
Neste mundo de escarcéus.
Santificado, Senhor,
Seja o Teu nome sublime,
Que em todo Universo exprime
Concórdia, ternura e amor.

Venha ao nosso coração,
O teu reino de bondade,
De paz e de claridade
Na estrada redenção.
Cumpre-se o teu mandamento
Que não vacila e nem erra.

Nos Céus, como em toda a Terra
De luta e de sofrimento.
Evita-nos todo o mal,
Dá-nos o pão no caminho,
Feito de luz, no carinho
Do pão espiritual.

Perdoa-nos, meu Senhor,
Os débitos tenebrosos,
De passados escabrosos,
De iniqüidade e de dor.
Auxilia-nos também,
Nos sentimentos cristãos,
A amar aos nossos irmãos
Que vivem longe do bem.

Com a proteção de Jesus
Livra a nossa alma do erro,
Neste mundo de desterro,
Distante da vossa luz.
Que a nossa ideal igreja,
Seja o altar da Caridade,
Onde se faça a vontade
Do vosso amor ...
Assim seja!

Mensagem recebida pelo médium Francisco Cândido Xavier, ditada pelo Espírito Monsenhor José Silvério Horta, constante do livro "Parnaso de Além-Túmulo,(12ª Ed. - FEB).

TBV, Templo da Paz, 22 anos!





Ontem 23 de outubro, milhares de peregrinos  Legionários reuniram-se em Brasilia Distrito Federal no TBV(Templo da Boa Vontade), O Templo da Paz, para juntos comemorarem seus 22 anos de existencia, numa confraternização fantástica. 


Concluíndo assim as festividades que se iniciaram no começo do mes de outrubro. Como sempre, com o dinamismo que marca os legionários, cumpriram alegremente uma extensa agenda.




O  jornalista, radialista e escritor  irmão José de Paiva Netto, diretor-presidente da Legião da Boa Vontade (LBV), comandou a sessão solene em comemoração dos 21 anos do Templo da Boa Vontade (TBV).
 Que foi transmitida , via satélite, para todo o mundo , como sempre, uma mensagem especial pelo aniversário do monumento, localizado em Brasília/DF,  culminando com  uma prece ecumênica pelo fortalecimento moral e espiritual das famílias.
 
 O templo da Boa Vontade(TBV) está localizado no SGAS 915, lotes 75 e 76, e também é conhecido como “A Pirâmide dos Espíritos Luminosos” e “A Pirâmide das Almas Benditas”.

Foi construído em forma de  piramide e tem uma interessante analogia com o numero 7 (o numero da perfeição),é formado por um conjunto de sete faces, medindo 21 metros de altura e 28 metros de diâmetro.



A Nave, considerada coração do Templo, possui, no chão, uma espiral bicolor que forma dois caminhos: o primeiro, de cor escura, gira em sentido anti-horário e representa a difícil jornada da Humanidade em busca do ponto de equilíbrio, chegando à placa de bronze, a qual simboliza a descoberta da Luz e está alinhada ao cristal puro de 21 quilos, que se encontra no pináculo da pirâmide;

O segundo, de cor clara, gira em sentido horário e retrata uma nova marcha iluminada pelos valores morais e espirituais adquiridos por meio do esforço do Ser Humano, que se finaliza no Trono e Altar de Deus.

Foto do altar de Deus


Foi aclamado pelo povo, como uma das 7 maravilhas do  Distrito Federal, e é segundo a Secretaria do Desenvolvimento Economico e Turístico  do DF (SDET), como o monumento mais visitiado da capital do Brasil.

 Outro detalhe relevante é que o TBV jamais fechou suas portas desde a inauguração, sendo um espaço aberto para meditação IRRESTRITAMENTE ECUMENICO;
É um ambiente ecumênico de Paz e meditação a todos que buscam o silêncio interior.


Segundo estudiosos, o cristal de 21 quilos colocado o pináculo da piramide, tem o poder de purificar o ambiente porque catalisa poderosas energias  que incidem sobre os que entram no interior do Templo da Paz.

Compostos de forma harmoniosa , completam o cenário do TBV, a Fonte Sagrada, cujas águas  passam por  vários  filtros, atravessa a nave por sob o Cristal Sagrado, indo jorrar na fonte, onde também foi colocada  a estátua de Jesus em bronze, cuja mão direita está estendido  na direção da bica d’agua, onde os peregrino  podem recolhê-la.







Estatueta de JESUS - réplica da escultura francesa do século 18 que se encontra no Templo da Boa Vontade em Brasília/DF.






Quando foi inaugurada, em 21 de outubro de 1989, o então seu fundador, José de Paiva Netto, diretor-presidente da Legião da Boa Vontade, destacou:
 “Não importa se você é branco, negro, amarelo, vermelho; religioso ou ateu; civil ou militar, africano, europeu, asiático, americano, russo (...). O que interessa é que você respira, tem sensibilidade, vibra, raciocina, é Ser Humano; tem Espírito Eterno, cujo alimento é o Amor”.


 Com  sua beleza aconchegante, o Templo da Boa Vontade é local de interiorização do Ser Humano, sem distinção de etnia, sexo, classe social ou credo; alí todos são acolhidos e ninguém é questionado sobre coisa alguma.

    O Templo da Boa Vontade: A Pirâmide dos Espíritos Luminosos, a Pirâmide das Almas Benditas!
Singulariza  de forma pioneira o ideal de promover o Ecumenismo sem restrições, tendo como supremo objetivo confraternizar Seres Terrestres e Celestes de todas as etnias, filosofias, credos religiosos e políticos, e ainda ateus e materialistas.
Desta feita, mais uma vez  o encontro das Duas Humanidades, foi comandado pelo fundador do Templo da Paz, Irmão Paiva Netto

 Voce pode conferir mais noticias acessando o Portal Boa Vontade


Tempo para ser feliz-Palestra Espirita



Palestra:
Tempo para ser feliz 


A maior ambição do ser humano é a felicidade, mas ela parece sempre distante, embora a busca por ela seja constante. Além disso, Jesus afirmou que a felicidade não seria deste mundo. De que felicidade ele falava? Como compreender essa mensagem e ao mesmo tempo continuar lutando por ser feliz? É possível ou não ser feliz na encarnação? O que significa ser feliz aqui na Terra?

 Blog Palestras ESPÍRITAS:Acesse para ouvir ou fazer download

Auxílio Moral



                  Auxílio Moral


 Em muitas circunstâncias, afligimo-nos ante a impossibilidade de alterar o pensamento ou o rumo das pessoas queridas. 

Como auxiliar um filho que se distancia de nós, através de atitudes que consideramos indesejáveis, ou amparar um amigo que persiste em caminho que não nos parece o melhor? 

Às vezes, a criatura em causa é alguém que nos mereceu longo tempo de conveniência e carinho; noutros lances da vida, é pessoa que se nos erigia na estrada em baliza de luz. 

Tudo o que era harmonia passa ao domínio das contradições aparentes, e tudo aquilo que se nos figurava tarefa triunfante nos oferece a impressão de trabalho deteriorado, voltando à estaca zero. 

Chegados a esse ponto de indagação e estranheza, é imperioso compreender que todos temos, na edificação espiritual uns dos outros, uma parte limitada de serviço e concurso, depois da qual vem a parte de Deus. 

O lavrador promove condições favoráveis ao plantio da lavoura, mas não consegue colocar o embrião na semente; protege a árvore, mas não lhe inventa a seiva. 

Assim ocorre igualmente conosco, nas linhas da existência. Cada qual de nós pode ofertar a outrem apenas a colaboração de que é capaz. 

Além dela, surge a zona íntima de cada um, na qual opera a Divina Providência, através de processos inesperados e, muitas vezes, francamente inacessíveis ao nosso estreito entendimento. 

Diante, pois, dos seres diletos que se nos complicam na estrada, o melhor e mais eficiente auxílio moral com que possamos socorrê-los será sempre o ato de estender-lhes a bênção da oração silenciosa, para que aceitem, onde se colocaram, o Amparo Divino que nunca falha. 

Sejam quais forem os problemas que nos forem apresentados pelos entes queridos, guardemos a própria serenidade e cumpramos para com eles a parte de serviço e devotamento que lhes devemos, depois da qual é forçoso que nos decidamos a entregá-los à oficina da vida, em cujas engrenagens e experiências recolherão, tanto quanto nós todos temos recebido, a parte oculta do amor e da assistência de Deus. 






 Livro:  Alma e Coração
Pelo Espírito de:  Emmanuel
Psicografia de: Francisco Cândido Xavier




























sábado, 22 de outubro de 2011

Aniversario do Templo da Paz 22 anos




Musica de Carlos Candango "TEMPLO DA PAZ"



















Uma página, duas notícias


Uma página, duas notícias



Nilza Teresa Rotter Pelá

de Ribeirão Preto, SP

A página é a A10 do jornal “O ESTADO DE SÃO PAULO”, de 7 de janeiro de 2000, as notícias são: 1) “Escolas da França recebem pílulas do dia seguinte” (Produto contraceptivo será distribuído às alunas sem autorização prévia dos pais); 2) “Escolas aprovam lei que impede e pune trote violento” (Legislação obriga faculdades a adotar medidas para evitar ação de estudantes).

A primeira vista parece uma má e outra boa notícia, entretanto esta classificação vai depender da ótica de análise, pois ambas têm na sua essência uma ação de fora para dentro, o que de modo algum se caracteriza como processo educativo.

A lei que reprime o trote é sem dúvida necessária no momento, visto os acontecimentos que temos presenciado nestes últimos anos, entretanto aponta para a falha da formação moral dos estudantes que já cursaram a universidade, por pelo menos um ano.

A formação moral do indivíduo, sem dúvida, já inicia antes de seu nascimento quando recolhe as impressões da vida familiar e se prolonga por toda a infância e puberdade agora com influência de outros grupos sociais como escola, grupo religioso, grêmios desportivos. Ao chegar à faculdade traz esta bagagem, algumas vezes positiva, outras vezes nem tanto, acrescida do fato, de como aponta “O Livro dos Espíritos” na questão 385 , por volta dos 15, 20 anos o “caráter real e individual reaparece em toda a sua nudez: permanecem boas, se eram fundamentalmente boas, mas irizam sempre de matizes que estavam ocultos na primeira infância”.

A pró-reitora de graduação da Universidade Federal de São Paulo muito bem analisa a questão na ótica de processo educativo, “para ela, a simples edição da lei contra trotes não é suficiente. É preciso mudar a mentalidade dos alunos”. (destaque nosso)

Mudar mentalidade demanda trabalhar com valores pessoais e sociais, portanto é um processo longo e trabalhoso tanto para o educador como para o educando; como estamos acostumados a buscar soluções rápidas e pouco trabalhosas ainda acreditamos que a edição de uma lei seja a solução quando na realidade é um paliativo para o problema. Paliativo porque se age por medo da punição e não porque se incorporou o comportamento de respeito pelo outro como uma forma de relacionamento.

Esta mesma reflexão aplica-se à análise da questão da “pílula do dia seguinte”, resolve-se o problema social da gravidez na adolescência, pergunta-se, educa a adolescente e o seu parceiro? A preocupação esta nos jovens ou na repercussão social e porque não dizer financeira do evento? Some-se com a gravidez e ficam os adolescentes com as repercussões da fácil solução. Onde fica a família em todo este processo?

A própria ministra que promulgou o decreto relata a dificuldade familiar para aceitação de suas idéias, e a reportagem aponta as controvérsias que se instalaram na sociedade francesa a este respeito. Há o relato de uma enfermeira escolar que diz que usará o método apenas “como último recurso” e sempre proporia à adolescente a consulta aos pais.

Não nos propomos a discutir se os adolescentes devem ou não ter vida sexual ativa, o que nos sobra de certeza é que todo comportamento deve ser responsável e a atividade sexual não está fora desta ótica. A grande preocupação da associação dos pais franceses é que o recurso se banalize e que se passe a fazer uso corriqueiro dele sem que nenhuma medida preventiva seja usada pelos jovens. A coisa seria mais ou menos assim “porque me prevenir pois se posso no dia seguinte tomar minha pílula”. Isto é ser responsável? Como fica o respeito com a vida?

Quanto à última pergunta há que se analisar a pílula do dia seguinte como contraceptiva e para isto há que se delimitar onde se entende o início da vida (união do espírito ao corpo), na fecundação (encontro do óvulo com o espermatozóide na trompa da mulher) ou na nidação (fixação do ovo no útero materno). Nós os espíritas sabemos pela questão 344 de “O Livro dos Espíritos” que isto ocorre na concepção e se completa no nascimento; então mais esta problemática há que ser levantada quando se for discutir com os jovens.

 Nós particularmente achamos que este assunto deve ser discutido com os jovens espíritas com todas estas considerações éticas filosóficas. Não sabemos quanto este procedimento, dito contraceptivo, estará no Brasil, isto se já não estiver às escuras.

Ao tecermos estas considerações temos como referência que o que sempre deve ser buscado é o processo educativo com a análise do agir, suas repercussões na vida de todos e de cada um de nós, pois isto é o que caracteriza indivíduos moralmente educados. O simples fato de fazer desaparecer o problema não é educar pelo contrário é evidenciar que os fins justificam os meios, processo este que contraria a ética cristã do agir.

Joanna De Ângelis, em “Estudos Espíritas” (p.173) sintetiza:

“A educação encontra no Espiritismo resposta precisa para melhor compreensão do educando e maior eficiência do educador no labor produtivo de ensinar a viver, oferecendo os instrumentos do conhecimento e da serenidade, da cultura e da experiência aos reiniciantes do sublime caminho redentor, através dos quais os tornam homens voltados para Deus, o bem e o próximo.”



(Jornal Verdade e Luz Nº 169 de Fevereiro de 2000)





                                                                                                                   Origem destes artigos Aqui: