Meus Amigos

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

A Intolerância




"E João disse: Mestre, vimos um que em teu nome expulsava os demônios e lho proibimos, 
porque não te segue conosco". "E Jesus lhe disse: Não o proibais, porque quem não é contra
nós é por nós. " (Lucas, 9:49-50)
A intolerância sempre constituiu um dos grandes entraves na senda da evolução humana. 
No campo da ciência ela foi a causa do retardamento de muitas descobertas, pois, no passado, tudo aquilo que ultrapassava o limite acanhado do conhecimento humano, era levado na conta de "engenho e arte do demônio".
No setor do aculturamento ela foi responsável pelo marasmo e pelas trevas que prevaleceram entre os homens durante muitos séculos, evitando que eles, através do conhecimento da verdade, se libertassem do preconceito e da superstição.
No seio das religiões, a intolerância se fez sentir em todo o seu aspecto negativo, sendo responsável por grande número de perseguições, de torturas e de morte. Sempre que surgia na Terra um Espírito mais saliente querendo impulsionar o esclarecimento espiritual do homem, ele era catalogado como herege e como tal perseguido e até morto.
O próprio Jesus Cristo foi vítima da intolerância dos seus contemporâneos, por isso, para nos legar a sua mensagem de paz e de amor, ele teve de enfrentar a fúria sanguinolenta de muitos fanáticos, perecendo finalmente pendurado numa cruz, no alto do Calvário.
A passagem evangélica que estamos enfocando, nos elucida sobre o pensamento de Jesus Cristo sobre a intolerância: ele repreendeu severamente um dos seus apóstolos pelo fato de ter proibido a uma pessoa que não os acompanhava, de também expulsar maus Espíritos.
Enquanto no cenário terreno as religiões se digladiam e fecham as portas a qualquer gênero de entendimento, tudo por causa de ingênuas divergências doutrinárias, o Mestre, cujos atos devem servir de paradigma para o nosso proceder, declara enfaticamente a João:
"Quem não é contra nós é por nós".
Os discípulos de Jesus, impregnados dos prejuízos do arcaico sistema religioso prevalecente entre os judeus, não haviam ainda se despojado do tradicional e aberrante hábito de considerar heresia tudo aquilo que não fosse referendado pela religião imperante. Vendo aquele homem que expelia os maus Espíritos, João enchesse de zelo e, após proibir o homem de praticar atos daquela natureza procurou apressadamente o Mestre, a fim de denunciar aquilo que considerava um trabalho paralelo e autêntica usurpação de poderes.
Agindo daquele modo, o apóstolo julgava estar prestando inestimável serviço à Boa Nova e, certamente, esperava o beneplácito do Mestre para o seu ato de intolerância.
A réplica, no entanto, foi adversa: "Não o proibais, por que, quem não é contra nós é por nós".
O Meigo Rabi da Galiléia deu assim inequívoca demonstração de tolerância e é pena que o seu exemplo não tenha servido decorrer dos séculos, de esteio para uma mais íntima aproximação entre os vários agrupamentos cristãos, os quais, apesar de viver sob o pálio de uma só doutrina, porfiam em se colocarem na mais acesa intolerância, refratários a quaisquer concessões ou gesto de aproximação.
No Velho Testamento encontramos uma passagem quase idêntica:
Devido ao abusivo costume reinante entre muitos médiuns, profetas judeus, de invocarem Espíritos para consultá-los sobre coisas fúteis, sem um objetivo mais sério, o médium-mor que era Moisés vetou terminantemente que se continuasse esse intercâmbio, proibindo que se invocassem os chamados mortos.
Muitos médiuns sensatos existiam, no entanto, entre os judeus, e entre eles dois rapazes sinceros, cujos nomes eram Eldad e Medad. Esses jovens estavam no campo entrando em contato com Espíritos quando, passando por ali um homem, apressou-se em denunciar o fato a Moisés, julgando assim estar prestando valioso serviço ao Grande Legislador.
Conforme narra o livro de Números, Cap. 11, V. 26 a 29, esse homem chegou todo agitado perto do libertador dos hebreus e delatou:
"Senhor! Eldad e Medad estão no campo profetizando!" Josué, o lugar-tenente de Moisés, que ali estava ao lado asseverou:
"Senhor Meu Moisés, proiba-lhos".
Mas Moisés não se importunou, pois conhecia o caráter da Mediunidade de Eldad e Medad e se limitou a responder a Josué:
"Tens tu ciúmes de mim? Oxalá que todo o povo do Senhor fosse profeta, que o Senhor lhe desse o seu Espírito."
Assim como Jesus reconheceu que o homem que expelia os maus Espíritos em seu nome, estava trabalhando pela mesma causa, embora em caminho diverso, Moisés também suspirava pelo mediunismo sadio entre o seu povo, alegrando-se com o fato de dois de seus patrícios estarem entrando em sintonia com os Espíritos do Senhor, para fins edificantes.
Ambos deram vibrante demonstração de tolerância e compenetração dos reais objetivos que animam aqueles que desejam cooperar na tarefa comum de entrelaçamento entre os homens, com vistas a uma mais estreita aproximação com o Alto.
Afirmou João em seu Evangelho que "a luz resplandece nas trevas, e as trevas não a compreenderam" (João, 1:5).
Essa passagem deixa entrever claramente que Jesus Cristo veio como autêntica luz a iluminar o caminho dos homens, mas a intolerância destes fez com que a sua mensagem fosse incompreendida, e as forças das trevas conseguiram fazer com que largos anos de obscurantismo suplantassem a voz da verdade, retardando a implantação dos ideais cristãos, da forma como foram ensinados pelo Cristo, fundamentados sobre a pureza e a singeleza.
Nos Evangelhos encontramos uma narrativa bastante elucidativa: Jesus Cristo não foi recebido numa aldeia de Samaritanos. Os seus apóstolos, revoltados, perguntaram-lhe:
"Queres que façamos descer fogo do céu e os consuma, assim como o fez Elias?". E a resposta do Mestre foi a seguinte: "Não sabeis que espírito sois, porque o Filho do homem não veio para destruir as almas dos homens, mas para salvá-las". E dirigiram-se para outra aldeia.
Preferindo dirigir-se para outra aldeia, em vez de concordar com a sugestão dos apóstolos Tiago e João, de procurarem consumir o povo que não os recebera, Jesus Cristo, mais uma vez, demonstrou que a tolerância deve sempre nortear os rumos daqueles que se arrogam ao título de cristãos verdadeiros.
Paulo A. Godoy

2 comentários:

Evanir disse...

Com todos os obstáculos que a vida nos prepara,
consigo superar as barreiras e passar a ter esperança ,
que tudo poderá ser melhor.
È muito bom ter alguém especial como você,
uma amizade , que posso contar sempre ,
que for preciso.
Que ,Deus não permita , que venha perder a
alegria de viver.
Que , eu possa ser benção
na vida de todos ,
que nossa amizade seja
pra sempre baseada na fé e no amor.
Um abençoado final de semana.
Beijos no coração e afagos na sua alma.
Evanir..
Estou seguindo todos seus blogs adorei te conhecer ofereço meu ink e mimo de seguidores.

Eunice Terra Fomm disse...

Gratíssima Evanir. dizem que as almas em sintonias acabam se encontrando. Sua generosidade me enternece, por isso lhe digo que somos o reflexo uns dos outros se reencontrando no cosmo. Deus continue lhe abençoando sempre, e sempre!